PUBLICIDADE

Os desafios da comunicação nos condomínios

Por Revista Síndico
Última atualização: 05/01/2022
,

WhatsApp Image 2021-12-06 at 13.13.07
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A pandemia da Covid-19 escancarou um velho problema que boa parte dos condomínios enfrenta no dia a dia: a falta de canais eficientes para eliminar ou minimizar os tradicionais ruídos na comunicação dos moradores. O velho mural, normalmente posicionado próximo aos elevadores no hall dos edifícios, há muito deixou de ser eficiente. Ninguém mais dá atenção ao papel amarelado com as mensagens – importantes ou corriqueiras – colocadas pelo síndico ou pela administradora.

Assim como nas relações sociais e econômicas, a tecnologia passou a ser mais assertiva na intermediação de conflitos, na prestação de contas e até nas reuniões de condomínios – normalmente esvaziadas e que perderam ainda mais quórum com o distanciamento social, por medo ou por necessidade. Os aplicativos chegam para suprir parte dessa demanda porque abrem canais para que as pessoas possam se expressar e acompanhar decisões com mais eficiência. Segundo a Group Software, empresa mineira que desenvolve sistemas para o setor, em 2020, houve um aumento de 3000% no número de assembleias online por condomínios. Em 2021, mantém-se uma média de crescimento de 200% ao mês.

Dessa forma, os aplicativos passaram a ter um papel preponderante para aumentar a participação dos moradores na gestão de seu microuniverso. Ajuda, também, a despertar nos mais jovens o interesse pela coletividade. E é fundamental mantê-la, em tempos pandêmicos ou não.  Se o condomínio foi casa, trabalho, lazer, hospital, refúgio e única liberdade possível durante todo o tempo de confinamento mais rigoroso; precisamos manter para sempre o foco em criar boas relações e práticas de convivência e gestão.

As grandes empresas de tecnologia como Google e Microsoft criaram soluções que não só facilitam a comunicação via reuniões virtuais, como também ajudam os gestores (síndicos e administradoras) na divulgação dos balanços, tradicionalmente um dos pontos focais das desavenças nos condomínios.

O Google Agenda, por exemplo, permite que o administrador divulgue os próximos passos e eventos do condomínio. Esta agenda pode ser compartilhada entre todos, que poderão consultá-la tanto de computadores como de smartphones. E o mercado ainda pode contar hoje – comunicados, informativos ou ênfase em alguma norma – com os aplicativos condominiais. E há diversas soluções desenvolvidas por empresas nacionais e regionais.

Se a imagem vale mais que mil palavras, até na hora de produzir um comunicado impresso existem ferramentas para facilitar o visual. Aplicativos como o Canva, por exemplo, entregam até o design pronto para os gestores de condomínios. É possível em poucos cliques ter um cartaz diagramado, bonito e eficiente.

O fato é que é preciso uma comunicação profissional, proativa, que relate todos os feitos, com a maior transparência e ética possível.  As tecnologias podem promover esse tipo de engajamento. E até dar o empurrão que faltava para melhorar o convívio real. Quantas pessoas não passaram a saber o nome do vizinho por conta do grupo de whatsapp, ou mais carinhosamente chamado de zap, criado durante a pandemia? E a saber que é o morador da porta ao lado que gosta de andar de bicicleta como você, na hora de defender um espaço mais adequado para guardar a magrela; papo também surgido no grupão do condomínio?

Cada vez mais é necessário ouvir os moradores para conhecer seus desejos, anseios, expectativas, sugestões para que se possa formatar produtos e serviços focados na experiência do usuário.

Um bom plano de comunicação pode considerar um jornal mural, mas precisa ter algo mais dinâmico e rápido, e os apps facilitam muito. A boa comunicação previne ilações. Quando não se fala o que deve ser dito, outros falam e podem passar mensagens completamente erradas e por aí vai. Neste momento é que pode entrar um pouco de gerenciamento de crise. Será que aquela mensagem do cartaz deixou os condôminos informados ou confusos? Quem nunca saiu de uma reunião de moradores sem ter clareza das decisões? A comunicação é uma das principais características humanas, mas ela precisa ser bem-sucedida.

Toda mudança de rotina gera alguma resistência. Mas assim como nos acostumamos em lavar as mãos constantemente, limpar compras do supermercado, usar máscara por conta de uma comunicação eficiente a respeito da mais grave pandemia da contemporaneidade; podemos fazer o mesmo com as nossas relações no lugar mais importante da nossa privacidade.

 

Naila Oliveira e Gilberto Severo são jornalistas da Danthi Comunicações, especialistas no atendimento de clientes do setor imobiliário

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE