PUBLICIDADE

Capacitação profissional para síndicos e funcionários

Por Revista Síndico
Última atualização: 13/10/2020

gestao
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Juliana Marques

O mercado condominial vem passando por intensas transformações nos últimos anos. Para acompanhar as mudanças que estão surgindo, síndicos e administradores estão investindo em capacitação e atualização constantes, para que possam desempenhar uma gestão cada vez mais eficiente.

A necessidade surge de uma demanda de mercado, afinal, os condomínios precisam contar com profissionais qualificados para fazer a gestão dos seus bens da melhor forma possível, e uma coisa é certa: encontrar soluções para reduzir as despesas condominiais é uma tarefa que exige esforço e competência. Por isso, os profissionais precisam buscar formas de atualização para ter acesso às novidades que tragam benefícios e economia para o condomínio e seus moradores.

Segundo Andrea Soares, síndica profissional e gerente da Associação Brasileira de Síndicos (Abrasíndicos), até pouco tempo atrás, os assuntos ligados à gestão de condomínios não faziam parte dos temas em discussão, tampouco tratava-se dos aspectos relacionados à adequação legal do empreendimento, a segurança, às relações trabalhistas e interpessoais. “Recentemente destacou-se a figura do síndico profissional, um indivíduo externo ao condomínio que deve ter um conhecimento multidisciplinar, surgindo em virtude da indisponibilidade de moradores em assumir as inúmeras responsabilidades inerente a função”, afirma.

Para esse tipo de capacitação há diversos cursos para síndicos e administradores que podem dar todo o suporte teórico e prático, além de palestras, seminários, congressos, workshops e outras atividades que podem ser feitas presencialmente e até a distância. No entanto, é importante frisar que, ter uma formação acadêmica é pré-requisito fundamental para a profissionalização de qualquer área.

“Gerir patrimônio de terceiros é uma grande responsabilidade. A sua função está diretamente ligada a aspectos desde a saúde financeira, liderança, segurança, até a civilidade dos que residem no local e dos que o visitam. Para uma gestão cada vez mais eficiente se faz necessário envolver todos os profissionais, valorizar os treinamentos com procedimentos claros, através de um acompanhamento contínuo. O profissional que pretende ingressar nesta área deve buscar uma atualização constante e promovê-la em toda a sua equipe”, defende Andrea.

Alexandre Amaro, síndico há dois anos, acumula experiências na gestão dos condomínios Up Life Barra Bonita, Blue Point e Grand Family, no Recreio dos Bandeirantes. Ele já completou o curso de formação para síndicos profissionais, participa de feiras e exposições no segmento e garante que a capacitação é fundamental para uma gestão eficiente. “A qualificação em síndico profissional possibilita ao leigo, uma visão mais ampla do que é administrar um edifício, tornando as tomadas de decisões mais rápidas e seguras. Ao me aprofundar no assunto observei detalhes que antes eram imperceptíveis, o olhar se torna diferenciado. Me manter sempre atualizado proporcionou que minha capacidade analítica me mantivesse sempre um passo à frente de futuras dores de cabeça”, afirma Alexandre.

Apesar da função de síndico ainda não ser regulamentada, um bom síndico profissional deve buscar qualificações que o capacite para exercer a função com eficiência. De acordo com o vice-presidente administrativo e financeiro do Sindicato da Habitação do Rio de Janeiro (Secovi-RJ), Ronaldo Coelho Netto, as exigências e responsabilidades de síndicos e administradores estão cada vez maiores. “Não existe mais gestão informal, sem conhecimento, sem atualização constante.  Esses profissionais têm que se atualizar sempre, não só para atender as exigências, mas para trazer novas soluções, detectar tendências e modernizar a gestão, sem nunca esquecer a transparência no que faz”, defende. Para Rogério, esse investimento pode trazer melhorias significativas na rotina de um condomínio. “O conhecimento traz tranquilidade e economia na gestão, aliados à segurança nas tomadas de decisão com planejamento e trabalhos preventivos”, opina o vice-presidente do Secovi-RJ.

Como escolher o curso ideal?

Por conta da grande quantidade de cursos ofertados, muitos ficam em dúvida na hora de escolher o mais adequado para a sua necessidade. Adquirir um conhecimento amplo e global de tudo que envolve a complexidade atual da gestão de condomínios é um bom começo. Por isso, uma série de instituições oferecem capacitações presenciais ou à distância que cobrem os principais aspectos que o síndico deverá gerir no dia a dia do condomínio.

“O curso para formação profissional deve ser o primeiro passo, mas fazer visitas técnicas em outros condomínios para trocar ideias, conversar e reunir informações também são ótimas ferramentas para ampliar seus horizontes”, acrescenta Alexandre Amaro.

O síndico tem que ser um generalista e compreender um pouco de tudo. Ele também deve ter habilidades organizacionais e até conhecimentos jurídicos sobre as leis que regem os condomínios. Quanto mais o profissional entender e estudar sobre os assuntos relacionados ao condomínio, melhor será sua gestão. Estar sempre em dia e reciclado é fundamental para a execução da função.

Foi pensando nisso que a APSA elaborou um curso de formação para Gestores de Propriedade Urbanas (GPU), destinado a administradores, profissionais que desejam se aperfeiçoar na função de síndico ou se especializar como síndico profissional. O curso tem duas metodologias de ensino, presencial e à distância (EAD),  e conta com uma carga horária de aproximadamente 100 horas/aula. Ambas possuem um material completo composto por vídeos, apostilas, avaliações e estudos a respeito de temas nas áreas jurídica, financeira, trabalhista, administrativa, pessoal, entre outras, distribuídas em 11 disciplinas relevantes para uma administração condominial eficiente. “Nossa proposta é dar ao aluno uma ampla visão dos temas que norteiam a gestão condominial de forma muito prática e objetiva”, explica Marcelo Eller, gerente de negócios da APSA e coordenador do curso.

Para Marcelo, o momento é oportuno para quem deseja se aprofundar no assunto. “Hoje há muita demanda do segmento de condomínios e uma clara profissionalização do setor está em curso. A cada dia que passa vemos a necessidade de gestores mais capacitados para exercer a função de síndicos devido ao aumento da complexidade das demandas que podem ser equiparadas a gestão de uma empresa. Quem quiser entrar mais a fundo na área, o curso com certeza irá ajudar”, garante.

Marcelo também assinala a importância de todos os síndicos conhecerem a fundo essa tarefa. “Hoje os moradores estão mais atentos à gestão, sabem que não deve haver desperdício, e que há uma série de normas a serem respeitadas. O conhecimento multidisciplinar é uma exigência do mercado de trabalho, por isso, o investimento em qualificação é fundamental. Para gerir isto tudo é preciso estar preparado, ser um verdadeiro gestor e não apenas um síndico. Ele não pode ser mais coadjuvante e sim o protagonista dessas mudanças”, finaliza.

Entre as competências que um síndico profissional deve apresentar na rotina de administração condominial, estão: administração de rotina e pessoal, gestão fiscal e financeira, segurança do trabalho, primeiros socorros, manutenção predial e segurança patrimonial. Sem esses atributos, certamente terá dificuldades, por exemplo, como uma pessoa que não trabalha com finanças vai ser síndico e fazer uma previsão orçamentária com segurança? Uma boa base é o que permite ao síndico ter maior discernimento e profundidade em conceitos essenciais da administração condominial, que são justamente onde ele não pode errar ao lidar com fluxo de caixa, controle de inadimplência, entre outros assuntos mais específicos.

Além da sala de aula

Fora as obrigações fiscais e com a lei, o trabalho do síndico também deve considerar a parte humana. Diversos são os tipos de conflitos que fazem parte da realidade de um condomínio, no entanto, ele deve ser capaz de lidar com funcionários, enfrentar diplomaticamente brigas entre vizinhos, problemas de condôminos com o regulamento interno, reclamações dos moradores em relação ao trabalho dos funcionários – e, principalmente, saber ouvir críticas ao seu próprio trabalho.

“Embora o conhecimento em diversas áreas, já citadas, contribuam para uma gestão eficiente, é a inteligência emocional que vem chamando muito atenção em uma gestão. Recomendo trabalhar esse aspecto para levar às comunidades uma cultura de civilidade, cordialidade e mediação”, pondera a gerente da Abrasíndicos.

O profissional que almeja alcançar um propósito maior em sua atuação, deve buscar atuar de forma a transformar seus condomínios em lugares mais civilizados, limpos e seguros, incluindo todos que habitam e trabalham nele. “Eu costumo falar que um bom síndico tem que ser um excelente conciliador e psicólogo.  Saber ouvir, trocar ideias, saber se impor quando necessário, sem ser unilateral, se colocar na posição dos condôminos, fazendo também com que todos saibam seus direitos e deveres no respeito a convenção e aos regulamentos condominiais”, destaca Ronaldo Coelho da Secovi-RJ. Adquirir essa segurança para argumentar com os diversos tipos de público que estão no condomínio é fundamental e uma das principais virtudes de um síndico bem capacitado.