PUBLICIDADE

Cuide-se: 6 dicas para melhorar sua saúde mental em 2021

Por Revista Síndico
Última atualização: 28/12/2020

Executiva trabalhando calma
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O “novo normal” nos cuidados com a mente, hoje, é terapia online, cursos de mindfulness e yoga que possam ser feitos em casa e uma altíssima busca nas ferramentas de pesquisa para saber mais sobre o tema. Quando o assunto é saúde mental, difícil encontrar quem não tenha se dedicado a saber mais sobre o tema, pressionado principalmente nas mudanças de contexto de vida que o novo coronavírus trouxe para a vida das pessoas durante a pandemia.

Para 2021, o cenário não deve mudar tão rapidamente quanto se deseja. Ainda que comecem os processos de vacinação em massa no Brasil e em outros países, dificilmente deve-se voltar “a vida como era antes” do início da pandemia. Por isso mesmo, é necessário cuidar da mente mais do que nunca. Se antes essa não era uma prioridade para a maioria das pessoas, com as incertezas sanitárias e financeiras, bem como as possíveis idas e vindas de restrição de mobilidade, fica claro que é preciso cuidar do cérebro e evitar o estresse a todo custo.

Fica claro que é preciso cuidar do cérebro e evitar o estresse a todo custo.

Por isso, reunimos 6 dicas de especialistas em saúde mental para que quem quiser começar o próximo ano no lema “mente sã, corpo são“. Acompanhe o que indicam os médicos Yuri Busin, psicólogo, mestre e doutor em neurociência do comportamento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental – Equilíbrio (CASME); a psicóloga Renata Paparelli, professora do curso de Psicoalgia da PUC de São Paulo na área de saúde mental relacionada ao trabalho, além de ser coordenadora da Clínica do Trabalho, que é um serviço oferecido pela PUC que atende trabalhadores com sofrimento psíquico relacionado à vida profissional.

Para encerrar, quem também deu sua contribuição foi o psiquiatra Dr. Eduardo Perin, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) pelo Ambulatório de Ansiedade do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). Siga a lista de dicas abaixo.

Faça  um “balanço emocional”

“Uma das ações mais importantes para manter a qualidade da saúde mental é fazer o que a gente pode chamar de balanço emocional. Ou seja, a gente precisa sempre inserir nas nossas vidas coisas positivas para ter uma ideia daquilo que estamos tocando. Por exemplo, se a pessoa está trabalhando muito, está estressada, o que é possível fazer para equilibrar esse aspecto negativo? Recomendo que esse balanço envolva atividades menos passivas do que só sentar no sofá e assistir a um filme, ver Netflix. Fazer exercícios físicos, ter um hobbie, estudar, construir algo. Esse tipo de ação fará a sua produtividade, a sua qualidade de vida e o seu estresse melhorar. Porque você começa a equilibrar melhor a sua existência”, diz o Dr. Yuri Busin.

Leia também: Como lidar com o mundo VUCA trazido pela pandemia nos âmbitos pessoal e profissional 

Mantenha rotinas

“Dormir no mesmo horário, acordar no mesmo horário, ter uma hora mais fixa para fazer as refeições – café da manhã, almoço e jantar – são atitudes bem importantes. Também é preciso organizar alguns intervalos durante o tempo em que se está trabalhando e não passar do horário quando se acaba de trabalhar. Se a pessoa saía do escritório às seis da tarde, ela deve continuar encerrando seu dia nessa mesma hora. Tem se tornado muito comum as horas extras, agora que se está no home office. Organizar a rotina é bem importante para manter o humor, para o sono. Melhora também estados depressivos, ansiosos e de irritabilidade”, informa o psiquiatra Dr. Eduardo Perin.

Abra espaço para o bem-estar

“Ações como meditar, fazer atividades físicas, yoga, quando feitas de forma recorrente podem mudar sua saúde mental para melhor. Às vezes brinco com meus pacientes dizendo que se eles não sabem o que fazer para trazer esse bem-estar, eles podem explorar. Faça uma reflexão sobre as curiosidades que você já teve no passado, que coisas já desejou fazer, ou realize uma pesquisa na internet para encontrar atividades que te tragam prazer”, explica o Dr. Yuri Busin.

Ponha limites no trabalho

“A gente vive um momento difícil com a pandemia, com o medo mesmo de perder o emprego, de perder a condição de se manter. Por isso, minha recomendação para preservar a saúde mental é manter viva a reflexão. Procurar entender sua relação com o trabalho, respeitar seu limite subjetivo acima de todas as coisas e procurar se articular no interior das organizações para opor resistência a uma exploração exacerbada do profissional. Temos que estar atentos à ‘uberização’ do trabalho, porque ela compromete, e muito, à saúde mental das pessoas”, diz a psicóloga Renata Paparell.

Não fuja do autoconhecimento

“Pense em procurar uma psicoterapia, em se conhecer melhor, isso vai trazer milhões de benefícios. Realmente nesse atual cenário em que estamos, a saúde mental ficou em evidência, houve traumas muito grandes. Acho que isso ajudou a tirar o estigma em torno do tema, as pessoas começaram a entender que todos podemos sofrer, todos podemos ter problemas e a psicologia pode ajudar muito na sua evolução pessoal”, afirma o Dr. Yuri Busin.

Priorize o seu prazer mental

“Escolher algumas atividades que sejam prazerosas: pode ser um hobby, ir à padaria tomar um café, por exemplo, ler um livro… É importante arranjar tempo para se fazer aquilo que gosta, que distraia a mente, que seja capaz de engajar e fazer a pessoa se dedicar. Isso ajuda muito tanto na quarentena quanto fora dessa situação. Eu recomendo que a pessoa faça alguma atividade que goste muito pelo menos uma vez ao dia para ajudar na saúde mental”, sugere o psiquiatra Dr. Eduardo Perin.

Fonte: Consumidor Moderno

POR LUCIANA BORGES – 23 DE DEZEMBRO DE 2020

Fotos: Freepik

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE