PUBLICIDADE

Crossfit ganha espaço no mercado fitness do país

Por Revista Síndico
Última atualização: 15/06/2021

capa-crossfit
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Segundo o relatório da International Health, Racquet & Sportsclub Association (IHRSA)*, o Brasil tem hoje mais de 29 mil academias. E mesmo com uma leve queda comparada ao ano passado, o país ainda continua sendo o segundo maior mercado em número de academias no mundo, ocupando a primeira posição da América Latina. 

Dados da Associação de Academias Brasileiras (ACAD) confirmam que o mercado fitness no Brasil cresce a cada ano. De acordo com um relatório feito pela Pluri Consultoria, estima-se que em 2017 o crescimento foi de 22%, equivalente a 1,9% do PIB do país. Esses números levam em conta, clubes, academias, marketing, vestuário, artigos, alimentação, equipamentos, serviços e eventos em geral, ou seja, tudo o que envolve o mundo fitness.

Segundo o SEBRAE Inteligência, entre as principais atividades físicas praticadas nas academias estão a musculação e o crossfit, modalidade que vem atraindo muitos adeptos desde a sua chegada no país, em 2009. Em apenas 10 anos no Brasil, o esporte já tem sua parcela no mercado fitness – os chamados “boxes de crossfit” cresceram mais de 50% só no último ano – ficamos atrás somente dos Estados Unidos, país de origem da modalidade. 

O nome crossfit junta “cross”, que significa cruzar, ultrapassar, com “fit” ou “em forma”. Trata-se de um treinamento que une levantamento de peso olímpico, ginástica, atletismo e outras modalidades com movimentos de alta intensidade, proporcionando uma atividade de força aliada ao condicionamento físico. A proposta é que o praticante aumente a carga com o passar dos exercícios, demonstrando uma constante evolução. O motivo da alta procura pela modalidade é a proposta de uma atividade menos monótona que a musculação, que pode resultar em um desempenho físico de alto rendimento em pouco tempo de treino. 

Enquanto a musculação isola o movimento de um músculo para o fortalecer, o crossfit trabalha vários grupos de músculos ao mesmo tempo, com exercícios como pular corda e levantar barras com peso sobre a cabeça, quase sem intervalo. A nutricionista, Raquel Prado, pratica a modalidade há dois anos e só vê vantagens na atividade. “Procurei o crossfit por curiosidade e me apaixonei, a atividade me deixou com mais disposição, melhorou meu condicionamento físico, equilibrou meus níveis de ansiedade e ainda me apresentou novos amigos. Não consigo mais viver sem! ”

mulher fazendo exercício
Raquel Prado é nutricionista e pratica o crossfit há dois anos: “só vejo vantagens”

Para o professor de educação física e personal trainer, André Pessoa, independente dos benefícios do esporte, o praticante deve procurar um médico antes de iniciar qualquer atividade física. “O crossfit é uma atividade intensa, indicada somente para as pessoas que já tenham um bom preparo físico. Por ser uma modalidade que utiliza uma série de movimentos de alta intensidade e com graus de exigência muito variados, não é uma prática segura para toda e qualquer pessoa, deve-se tomar cuidado principalmente com lesões, como em qualquer outro esporte”, alerta.

Homem sorrindo
Segundo o professor de educação física e personal trainer, André Pessoa, independente dos benefícios do esporte, o praticante deve procurar um médico antes de iniciar qualquer atividade física.

Mercado fitness brasileiro

Com a popularidade em alta, o crossfit já é considerado uma atividade importante no mercado fitness brasileiro. Tanto é que já ganhou diversos torneios para que seus praticantes possam mostrar suas evoluções e fazer contatos. E toda essa exposição vem conquistando cada vez mais espaço na mídia e na internet. 

Além do crossfit, tudo o que envolve o mercado fitness ganha força com os inúmeros influenciadores e personalidades do segmento. Nomes como os das blogueiras Gabriela Pugliesi e Bella Falconi, da musa fitness, Gracyanne Barbosa, e do personal trainer das celebridades, Chico Salgado, despontam com os maiores números de seguidores. Eles fazem muito sucesso nas redes sociais, postando fotos, dicas de suplementos, treinos e cardápios que auxiliam na perda de peso e na busca por uma vida mais saudável.

Ainda que os últimos meses tenham sido fora do normal para todo o mundo, o mercado fitness continua estável e promissor, com mais pessoas procurando melhorar a qualidade de vida. Com isso, ele teve uma migração significativa para o meio digital, e o que era tendência, agora virou realidade e veio para ficar. 

homem fazendo exercício
O crossfit é um treinamento que une levantamento de peso olímpico, ginástica, atletismo e outras modalidades com movimentos de alta intensidade, proporcionando uma atividade de força aliada ao condicionamento físico.

Os dados são animadores e ainda há muito o que ser feito neste cenário. Como grande parte da população está em casa, faz-se necessário recorrer a maneiras criativas para atraí-la. As academias que agora oferecem seus serviços de maneira online, têm muito mais chances de fidelizar o aluno que ainda tem receio de frequentar espaços físicos neste momento. 

Além disso, novos nichos de mercado vão surgindo, atendendo a demandas específicas de cada tipo de público. Há academias focadas na terceira idade, com equipamentos e profissionais capacitados para darem total assistência ao aluno, e as academias chamadas lows costs, como a Smart Fit, Just Fit, Self It e Blue Fit, que têm uma proposta de treinos rápidos, livres e com um baixo custo para os alunos. 

Junto com todo esse crescimento, a tecnologia tem um papel fundamental nas novas tendências do mercado fitness, seja em aparelhos modernos, roupas, acessórios – como os smartwatches e wearables – e também os aplicativos que auxiliam na rotina de quem pratica exercícios. Eles não só verificam o treino do dia, como também acompanham a dieta e a evolução no decorrer do tempo, é o caso do Nike Training Cub, Stravva, BTFIT, Freeletics e Adidas Training (disponíveis em Android e IOS).  

Os aplicativos também estão na mira dos donos de academias, professores e profissionais de atividade física. Para Andrea Pessoa, “muito além de proporcionar comodidade para os alunos, os aplicativos também estão trazendo uma nova fonte de renda para esses profissionais, que podem usar a ferramenta para acompanhar seus alunos, tornando assim uma via de mão dupla onde todos saem ganhando. ” Ainda segundo André, com um mercado altamente competitivo, é mais do que necessário que os empresários do segmento encontrem seu fator de diferenciação, e a tecnologia vem contribuindo para isso, além de ajudar as pessoas a manterem sua rotina de exercícios, diminuindo os índices do sedentarismo e outras doenças.

 

 

Por: Juliana Marques

*Fonte: https://www.ihrsa.org/publications/the-2020-ihrsa-global-report/

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE