PUBLICIDADE

4 aplicações da inteligência artificial para condomínios

Por Revista Síndico
Última atualização: 27/04/2021

capa-inteligencia-artificial
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Entendida como a ciência de produzir máquinas inteligentes, a inteligência artificial (IA) vem revolucionando o mundo com soluções que facilitam — e muito — a vida do ser humano. Por meio de programação e computação, as máquinas são ensinadas a aprender, pensar e tomar decisões, registrando lições aprendidas e reagindo de forma bem similar ao cérebro humano.

Apesar de parecer recente, o conceito é antigo. Foi utilizado pela primeira vez em 1956, em uma conferência realizada na Faculdade de Dartmouth, nos Estados Unidos. Mas somente no fim do século XX é que a IA começou a abandonar a teoria e a ser colocada em prática. Um marco importante desse processo ocorreu em 1997, quando, pela primeira vez na história, um computador venceu o russo Garry Kasparov, campeão mundial de xadrez à época.

“O combustível da Inteligência Artificial são os dados. Apesar do conceito já existir há décadas, dependíamos da existência e disponibilidade de computadores com alta capacidade de armazenamento e processamento computacional. Com a popularização da computação em nuvem, os desenvolvedores começaram a ter acesso a esse poder computacional, e isso acelerou o desenvolvimento das tecnologias de aprendizado de máquina e de IA”, explica Joaquim Venancio, CEO e fundador da Noknox, empresa especialista em soluções inteligentes para condomínios.

homem sorrindo
Segundo Joaquim Venancio, através de alguns experimentos em assistentes virtuais já foi possível a realização de uma série de atividades por comando de voz

Atualmente, a inteligência artificial está tão incorporada ao modo de vida contemporâneo que o que não faltam são exemplos de sua aplicação no dia a dia. Do aplicativo de rotas usado por motoristas para transitarem pela cidade até o sistema de chatbot que tira dúvidas do internauta em um site de comércio eletrônico, passando pela assertividade dos buscadores online e pela recomendação de filmes e séries com base em gostos pessoais em plataformas de streaming de vídeo… todas essas tecnologias só existem graças à inteligência artificial.

No condomínio não é diferente. A IA, combinada à robótica e à realidade virtual, pode aprimorar a experiência dos condôminos, reduzir custos de processos e operações e otimizar a gestão de prédios residenciais e comerciais. 

“Em nossas unidades, usamos um chatbot para atender condôminos via aplicativo de conversas instantâneas. Assim que um novo morador chega, ele recebe um número de telefone com o qual pode entrar em contato para dúvidas e orientações diversas, de forma rápida, prática e segura. Esse atendimento é feito por um robô de inteligência artificial. Com isso, diminuiu muito o fluxo de mensagens que entram no meu telefone para eu resolver. Somente as questões mais complexas chegam até mim. Isso é importante para o meu dia render. Consigo focar mais no relacionamento com fornecedores e conselho, por exemplo”, conta Alexandre Brandini, síndico da Mr. Síndico, empresa que cuida de mais de 4.500 apartamentos em São Paulo.

 

Deu curiosidade em conhecer mais aplicações da IA para condomínios? A seguir, a gente reúne quatro áreas possíveis da tecnologia. Confira!

  • Manutenção e Conservação

Com a IA, os dados gerados nas manutenções periódicas de máquinas e equipamentos são analisados e utilizados para gerar padrões de funcionamento e previsões de erros. Empresas em todo o mundo já vêm usando a tecnologia para prever possíveis falhas de operação e corrigi-las antes que aconteçam. Com isso, aumenta-se a segurança e agilidade do processo e a própria vida útil do equipamento, ao mesmo tempo que se reduzem custos e danos.

Não é difícil projetar as vantagens dessa tecnologia quando aplicada em elevadores, bombas de água, filtros e outros maquinários do condomínio.

  •  Eficiência Energética

Imagina ajustar cortinas e condicionadores de ar de salas, halls e outros espaços comuns do condomínio com base na quantidade de pessoas presentes nesses locais em dado momento. E se você pudesse controlar por aplicativo as luzes das áreas coletivas de acordo com a incidência de luminosidade externa e com o horário de funcionamento?   

A tecnologia empregada nos sistemas de inteligência artificial possibilita rastrear e analisar presença, calor e movimento, tornando mais eficiente o uso dos recursos energéticos e reduzindo eventuais desperdícios. Já pensou na economia na conta de luz da unidade que isso pode trazer?

  • Assistentes inteligentes

Os assistentes virtuais, como Google Home e Amazon Alexa, também serão aliados tecnológicos importantes dos síndicos em um futuro breve.

Cada vez mais precisos, eles vêm conquistando a simpatia de usuários em todo o mundo. Nos Estados Unidos, 46% dos adultos já incorporaram os comandos de voz em seu cotidiano, segundo dados do Pew Research Center. Já no Brasil, pesquisa da empresa de ciência de dados Ilumeo constatou que o uso de assistentes inteligentes cresceu 47% com a pandemia do Novo Coronavírus. 

Por meio deles, os condôminos poderão executar tarefas cotidianas de forma automatizada e simples, como apagar luzes, desligar equipamentos, bloquear portas, ajustar termostatos. Tudo com a voz. 

“Temos alguns experimentos em assistentes virtuais, que já são capazes de fazer uma série de atividades por comando de voz”, conta Joaquim Venancio, completando que as funcionalidades ainda não estão disponíveis para uso comercial.

  • Controle de acesso e segurança

Joaquim garante que, daqui alguns (poucos) anos, portarias 100% digitais, sem qualquer interação humana, serão realidade nos condomínios. Hoje em dia, a maior parte dos projetos de IA já implantados em unidades tem aplicação justamente no controle de acesso e na segurança. E a tendência é isso se intensificar.

Em breve, será possível automatizar a entrada e saída de pessoas do condomínio, reconhecer visitantes, detectar ações suspeitas e auxiliar na resolução de delitos. “Algumas tecnologias já existem, mas ainda não foram completamente adaptadas para o condomínio. Mas, em algum tempo, já será possível enviar imagens de câmeras de segurança a moradores que estejam chegando em casa para que eles chequem se é seguro ou não entrar na garagem do condomínio”, conta o síndico Alexandre. 

É a tecnologia em prol da segurança e bem-estar do coletivo condominial. Todos prontos?

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE