PUBLICIDADE

2021 pode ser o ano para comprar a casa própria

Por Revista Síndico
Última atualização: 05/01/2021

2021 pode ser o ano para comprar a casa própria
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Juros baixos e crédito facilitado vão manter aquecido o mercado de compra e venda de imóveis nas grandes regiões do país. Confira dicas de especialista da APSA para proprietários deixarem o imóvel pronto e mais competitivo

O Google divulgou pesquisa sobre as principais prioridades para o brasileiro em 2021 e 29% dos entrevistados disseram ter o interesse em se mudar da residência atual, um aumento de 30% no comparativo com o ano anterior. A mudança pode ser para a tão sonhada casa própria; e essa perspectiva não é à toa; juros baixos, boas opções de financiamento e de oferta de unidades devem manter neste ano as condições favoráveis para quem deseja adquirir um imóvel para sair do aluguel ou investir.

Compra da casa própria em 2021
O mercado está movimentado e os juros baixos potencializam este movimento de compra da casa própria

Algumas medidas simples podem ajudar o proprietário a vender melhor o seu imóvel usado. De acordo com o gerente de vendas da APSA, Gustavo Araújo, há um aumento na busca de imóveis tanto com mais espaço para instalar um home office, com mais opções de lazer e também por aqueles que perderam renda e precisam se adequar a uma nova realidade financeira.

“O mercado está movimentado e os juros baixos potencializam este movimento, pois eles permitem que mais pessoas tenham acesso ao crédito imobiliário para viabilizarem seus projetos e sonhos em relação a moradia e espaço de trabalho”, explica Gustavo Araújo.

Apenas no Rio de Janeiro, a APSA – que é a líder da gestão de propriedades urbanas – viu as visitas para conhecer empreendimentos aumentarem 20%, em 2020.

Portanto, o primeiro passo para o proprietário é contratar um bom consultor de vendas para ajudar a definir melhor o que deve ser feito, preparando o imóvel dentro do cenário existente e de acordo com o público-alvo.

Acompanhe as dicas do especialista, Gustavo Araújo:

· AVALIAÇÃO: Faça uma correta avaliação do valor de mercado para que o mesmo seja precificado da maneira adequada. Não pode ser tão barato, a ponto de diminuir a percepção de valor pelo cliente ou de desvalorizar e ter prejuízo mais adiante, e nem tão caro a ponto de ficar fora do mercado e não despertar o interesse de potenciais compradores.

· PROFISSIONAIS CREDENCIADOS: Busque um profissional credenciado e preparado para lhe auxiliar neste processo de venda. Um bom corretor de imóveis ou imobiliária, não só precificará seu imóvel corretamente, como irá lhe auxiliar em todo processo de divulgação e filtragem de potencias interessados, análise de documentação, assessoria técnica e jurídica em toda transação.

· DOCUMENTAÇÃO: Se o seu imóvel possui alguma pendência de documentação, sempre é bom se antecipar e regularizar o quanto antes. Por vezes, esta regularização pode ser algo simples, mas que leva algum tempo, e que o interessado não pode ou não quer aguardar e assim você acaba perdendo a chance de fazer um bom negócio naquele momento.

· REFORMAS: Se o propósito for realmente vender o imóvel, a recomendação é que não se invista em reformas ou obras. Não há como prever qual o desejo e objetivo do comprador que pode vir a se interessar pelo imóvel e existe uma boa chance de ele não valorizar a obra que foi feita e fazer uma nova reforma para adequar ao seu próprio gosto. Portanto, a melhor opção é deixar o imóvel no estado em que está e dar o desconto de valor compatível. As chances de negócio serão bem maiores. Mas se você realmente deseja vender e já abriu o quarto para a sala, por exemplo, deixe do jeito que está. Mas sem dúvida, agora, ter um cômodo extra no atual cenário que estamos desperta mais interesse dos compradores, justamente pela necessidade do espaço para se fazer o escritório em casa.

· APARÊNCIA: Deixe o imóvel o mais limpo e arrumado possível, mesmo que precise de obras, contribui para que o interessado consiga ter uma real noção do imóvel e perceba os pontos positivos do mesmo. Isto ajuda nas fotos e vídeos que serão divulgados, bem como na hora do candidato visitar e conhecer o imóvel.

Deixe o imóvel o mais limpo e arrumado possível
Deixe o imóvel o mais limpo e arrumado possível

PREÇOS: Defina bem o preço. O mercado está mais objetivo. Quando se tratam de imóveis usados, as margens de desconto entre o preço anunciado e o preço efetivamente cobrado têm uma grande variação. Depende de cada proprietário, do quanto ele valoriza e acha que vale seu próprio imóvel e da consciência que ele tem sobre a atual realidade de mercado. Existem muitas ofertas que estão completamente fora de preço e acabam dando uma impressão distorcida do mercado para quem se basear nelas para comparar o preço do seu próprio imóvel. Mas também existem muitas ofertas dentro do preço de mercado e até mesmo abaixo. Mas atualmente, há mais ofertas dentro de uma realidade de preço do que fora e as margens de negociação estão menores do que estavam antes da pandemia. Muitos proprietários vieram baixando os valores de seus imóveis ao longo do tempo e agora chegaram no limite e, por isso, estão menos flexíveis. Antes da pandemia, as margens chegavam a 30% entre o valor de oferta e o valor negociado para fechamento. Agora, estas margens variam entre 5% e 10%. Dificilmente algum proprietário está disposto a abrir uma negociação quando recebe uma proposta superior a esta margem.

· DECORAÇÃO: A pintura do imóvel recomendada é a cor clara, branca ou de tons bem neutros, pois ajudam a deixar o imóvel mais claro e com aspecto mais agradável. Normalmente agrada a todos. Os armários planejados e de boa qualidade sempre ajudam a venda e valorizam o imóvel, pois é uma despesa e preocupação a menos que os compradores terão. Entretanto, se seu imóvel não possuir armários planejados e você pretende vender, recomendamos que não coloque, pois existe a chance de não atender o gosto do comprador e ele não valorizar.

· DEFINA SEU PÚBLICO-ALVO: O público interessado em comprar imóveis é bem variado. Existem clientes que buscam imóveis mais baratos e precisando de boas reformas, justamente para realizarem a obra a seu gosto. Outras já preferem o imóvel reformado, pois tem uma necessidade mais imediata de moradia e topam pagar um pouco mais caro para não terem que se preocupar com obras. Mas a grande maioria dos clientes que temos atendido neste momento está em um meio termo, busca imóveis em um estado de conservação razoável. Não precisa estar completamente reformado, mas não aceita comprar um imóvel que esteja em péssimo estado de conservação e precisa de obra total. Estão dispostos a arcar com um valor para reformas até um certo limite.

· ATRIBUTOS: Enumere para o seu corretor tudo o que de bom tem ao seu redor e dentro do seu imóvel e que nem sempre está visível. Luz do sol, sol da manhã, boa ventilação e corrente de ar, silêncio ao redor ou janelas antirruído, obras anteriores realizadas (elétrica e hidráulica), tipo de fundação. E todo o comércio: escolas, hospitais, padarias, farmácias, shoppings e supermercados são bem apreciados. Facilidade de transporte também é importante mencionar.

 

Fonte: Economia S/A 
Por: DANTHI COMUNICAÇÕES

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE