PUBLICIDADE

5 dicas para diminuir o impacto ambiental da sua alimentação

Por Revista Síndico
Última atualização: 04/06/2021

Healthy hearty salad of tuna, green beans, tomatoes, eggs, potatoes, black olives close-up in a bowl on the table. Salad Nicoise. French cuisine.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

(CNN Espanha) Que a carne bovina é um dos alimentos mais prejudiciais ao clima você já sabe, mas está nos seus planos tirar ela do seu cardápio? Se sua resposta for não, isso não significa que você não esteja disposto a tomar outras medidas que reduzam a pegada de carbono de sua dieta. Mas quais?
Aqui, damos 5 conselhos!

carne
26% das emissões de gases de efeito estufa vêm dos alimentos, segundo a FAO. Especialistas propõem uma dieta alternativa, com carnes vermelhas e de aves, peixes, leite e ovos, apostando também em vegetais e proteínas de origem vegetal (Foto: Getty Images)

Em primeiro lugar, alguns fatos: 26% das emissões de gases de efeito estufa vêm dos alimentos, segundo a FAO, entre outras organizações. E apenas a pecuária é responsável por 14,5% das emissões. A carne bovina é o alimento que mais produz gases desse tipo, de acordo com o relatório do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais. Em segundo lugar, e se levarmos em conta o CO2 que é emitido por kg. consumido, é seguido por outro ruminante: o cordeiro.

Em termos gerais, os produtos de origem animal são mais poluentes do que os vegetais. Por esta razão, campanhas se multiplicam para adotar dietas vegetarianas ou veganas como opções mais favoráveis ao clima. Mas se você preferir continuar saboreando um hambúrguer de vez em quando, aqui estão algumas medidas que podem ajudar:

1. Escolha outros tipos de carne (ou reduza as porções)

Se você não quer abandonar completamente a carne, os especialistas propõem uma dieta alternativa. Guarde pequenas quantidades de carnes vermelhas e de aves, peixes, leite e ovos, apostando também em comer muitas frutas, vegetais e proteínas de origem vegetal. Essa dieta poderia poupar o planeta do equivalente a 5,13 gigatoneladas de dióxido de carbono por ano, de acordo com uma análise do Carbon Brief de dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

E aqui está um detalhe importante: nem todas as carnes geram a mesma quantidade de carbono. Frango e peru, por exemplo, também estão no ranking dos 10 alimentos mais prejudiciais ao clima, mas com impacto significativamente menor do que carne bovina e cordeiro. Na verdade, de acordo com a Universidade de Michigan, as emissões de gases de efeito estufa da carne bovina são 7,2 vezes maiores por quilo do que a do frango, por exemplo.

2. Consumir menos laticínios

queijo
Manteiga e queijo também estão entre os mais prejudiciais devido à quantidade de gases de efeito estufa que são emitidos para sua produção Foto: Getty Images

Não é só carne: laticínios como manteiga e queijo também estão entre os mais prejudiciais devido à quantidade de gases de efeito estufa que são emitidos para sua produção. Portanto, reduzir seu consumo pode ter um impacto positivo ao planeta.

E quanto ao leite? As emissões do leite de origem animal são mais que o dobro das de origem vegetal, como leite de arroz, soja, aveia ou amêndoa, segundo o site especializado Carbon Brief. De todas essas alternativas, a que contém amêndoas é a que menos emite gases.

A popularidade dos substitutos do leite está crescendo, embora permaneça insignificante em comparação com os de origem animal. De acordo com a empresa de pesquisa de mercado Euromonitor, as vendas no varejo para a indústria de laticínios à base de plantas foram estimadas em US $ 18 bilhões em 2020, cerca de 3% da indústria global de laticínios. E até gigantes do mundo da alimentação como a Nestlé agora apostam nessas alternativas.

3. Não deixe nada ir para a lata de lixo: evite o desperdício

A perda e o desperdício de alimentos são responsáveis por 8% das emissões de gases de efeito estufa, de acordo com a FAO. É claro que isso acontece em diferentes pontos da cadeia, desde o momento em que o alimento é produzido até o momento em que é cozido na mesa. No entanto, existem medidas que podemos tomar para reduzir o desperdício pelos quais somos diretamente responsáveis.

A primeira delas é planejar as refeições para comprar apenas o que precisamos (aliás, isso também é bom para o bolso). O armazenamento adequado dos alimentos e o uso de sobras também nos ajudam a evitar a lata de lixo. E outra dica da FAO: escolha “frutas e vegetais feios”. Não julgue os alimentos pela aparência. Frutas e vegetais machucados ou de formato estranho são frequentemente jogados fora porque violam padrões cosméticos arbitrários. Não se preocupe … o sabor é o mesmo. Use a fruta madura para preparar smoothies, sucos e sobremesas”, explica a organização.

4. Não escolha alimentos que viajam de avião

Uma das dicas que você provavelmente já ouviu é escolher produtos locais, porque assim as emissões oriundas do transporte de alimentos são evitadas. Até que ponto essas emissões são significativas? De acordo com Our World in Data, não tanto quanto podemos imaginar. Em média, as emissões dos transportes representam apenas 6% da pegada de carbono dos alimentos. “Na maioria dos alimentos, representa menos de 10% e é muito menor no caso dos maiores emissores de gases de efeito estufa. No caso da carne bovina, é de 0,5% ”, afirma a entidade. E é por isso que ele insiste que é melhor se concentrar no que se come e não tanto de onde vem.

Porém, há uma exceção: alimentos que viajam de avião. O transporte aéreo emite 50 vezes mais gases de efeito estufa do que a água, segundo Our World in Data, por isso aconselha que você os evite o máximo possível. É difícil identificá-los, pois muitas vezes não está indicado nas etiquetas como foram transportados. Em geral, são alimentos que vêm de longe e duram muito pouco, caso contrário seriam transportados por mar. De acordo com o portal, a categoria costuma incluir aspargos (que, aliás, é classificado como um dos alimentos mais nocivos para o clima nos Estados Unidos), feijão verde e frutas vermelhas.

5. Cuide do que você faz antes e depois de comer

Quantos plásticos descartáveis você usa e descarta no dia a dia ao comprar e transportar alimentos? Em geral, associamos o impacto ambiental do plástico aos resíduos que vão para o fundo dos oceanos. No entanto, o plástico descartável também tem pegada de carbono: segundo estimativas, todo o ciclo de vida desses materiais foi responsável por cerca de 1,5% das emissões globais de gases de efeito estufa em 2019. E, se a produção continuar crescendo assim, eles podem ser os responsáveis entre 5% e 10% das emissões anuais desses gases até 2050. É por isso que cuidar do plástico descartável que usamos também é importante.

E o que acontece depois de comer? A decomposição de resíduos orgânicos em aterros emite gases de efeito estufa. Para referência: segundo informações da OMS, por exemplo, o metano liberado por essa decomposição representa cerca de 3% das emissões da União Europeia. Portanto, reciclar o lixo orgânico que você descarta através da compostagem reduz a pegada de carbono dos alimentos. Essa prática que você pode fazer em sua casa também tem outros benefícios: permite que você obtenha um fertilizante natural de qualidade para suas plantas e devolve nutrientes ao solo.

E, finalmente: como calcular sua pegada de carbono? Os alimentos respondem por 10-30% da pegada de carbono de uma família, relata a Universidade de Michigan. Existem ferramentas que permitem calcular o impacto da sua dieta com base nos alimentos que ingere e quanto de cada um em média. Aqui, por exemplo, você pode consultar a calculadora disponibilizada pela organização The Nature Conservancy. Além da pegada de carbono das refeições, você também pode calcular o impacto de suas viagens e compras, entre outros.

 

Fonte: CNN Brasil

Imagem: Freepik

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE